domingo, 21 de fevereiro de 2010

çlaxkasoifjsieuhfsibfisudhfbhdgcuiuwud

As palavras não traduzem os nossos sentimentos... As letras são códigos, portanto ditadores. A alma não transcende por completo nas palavras! Os códigos acabam por barrar a transcendência do ser, sempre que queremos expor ao mundo o que vive em nosso interior!Saímos então fracassados como se estivéssemos lutando e sempre perdendo...
Tu queres mostrar o absurdo e só encontra o nome ‘absurdo’, tu queres mostrar paixão e só encontra o nome ‘paixão’... A poesia é a única das artes que consegue chegar mais perto de transcender!O homem brinca com as palavras, tenta modificá-las, foge as regras da grafia. Na verdade este tenta imitar seus sentimentos e o instrumento empregado que o poeta utiliza são as letras... Quando ele brinca com as palavras esta fazendo arte e transcende. Mas mesmo os poetas não conseguem a totalidade do transcender... Existe um vazio profundo entre as letras... Os Poetas contam com poucos instrumentos para transcender sua arte!Peguemos como exemplo o nosso alfabeto;

“ABCDEFGHIJLMNOPQRSTUWYVXZ”

Observe as letras, com atenção, se tu fores sensível o bastante verá que as letras são vazias, elas não possuem o abismo profundo necessário a alma. Todo artista sabe disto, principalmente os poetas...

5 comentários:

Denis Moura disse...

Este texto me espoletou "insights":

Eterna luta dos poetas para transmitir plenamente os sentimentos...

Pierre Weil e Roland Tompakow demonstraram que o corpo fala.

Mas será que aprendermos e ensinarmos o outro a ler o nosso corpo tornará possível expresarmos plenamente nossos sentimentos?

A palavra "paixão" acompanhada de olhos brilhantes e embevecidos e outros inúmeros sentimensos, os lábios relaxados, úmidos e sedentos de beijos... todo o resto do corpo a expressar: "paixão"...

Ou será que precisamos aprender/ensinar a perceber/fazer perceber os sentimentos que fazemos pairar ao nosso redor? descobrirmos que são reais? "sentimentelepatia"?

Abraços à Bessa, Alessandra.

Dênis

Alessandra Zelinda Bessa disse...

Dênis,bonito comentário!
De fato o corpo transparece as emoções mais do que as palavras...
A expressão corporal é inconsciente
portanto mais divino e natural.Já as palavras são conscientes manipuladas pelos homens e assim artificiais,'prende'...
Será que o homem brasileiro tem em sua genética a linguagem portuguesa?Certamente não.Esta portanto não expressa o sentir...Damos nomes para coisas da vida,será que elas nos pertence?
..................................

Grande Abraço.

Bruno Oliveira disse...

Eh, taí um bom tema pra discutir: as palavras. Concordo contigo quando diz que as letras são códigos, por isso, restringem, limitam. Mas, isso, claro, apenas visualmente, graficamente (sabe?), pois sonóramente elas são mui ricas! Basta pegar as vogais, que não são cinco, e sim sete: a, é, e, i, ó, o, u. Dependendo da tonalidade que tu usas ela, a vogal, ganha outro significado, e esse pode ser afetivo ou trivial. Exemplo clássico (e brasileiro legítimo): Ó o aue aí, o!

Quanto às palavras, essas, acho, podem nos ajudar a transcender sim! Ora, quantas vezes já ficamos emocionados e encantados com um poema ou um texto em prosa escrito por um bom autor? Várias vezes. E num é só de boas sensações que a Transcendência é feita. Por exemplo: quando li Ensaio Sobre a Cegueira, do Saramago, fiquei incomodado, me senti mal mesmo quando as esposas resolveram (e foram) "se entregar" a seus algozes por comida... Veja bem, conforme eu lia ia imaginando a cena e sentindo, praticamente, a mesma coisa que as personagens sentiam. Parece absurdo, insano, mas aconteceu realmente comigo. Senti no meu plano físico, não apenas no cenho das idéias. Tudo isso graças às combinações vocabulares feita, às pontuações... Por isso, discordo de ti, acredito que as palavras nos ajudam a transcender. Adoro um adjetivo, por exemplo, o acho tão rico de imagens. Vislumbro tantas cores, texturas, formas e etc., etc. nele! Ele é síntese de tanta coisa. Ah, e por acreditar no poder de transcendência das palavras é porque escrevo, e continuo escrevendo, sempre. Eh isso. Exagerei, né? Ainda há tanto e te dizer...

Alessandra Zelinda Bessa disse...

Bruno ,respeito a tua opinião.Tbm tenho muito a te dizer.Por começar no fato de já saber de tudo isso que você mencionou.Olha, se tu retornar ao texto verás que bem no início eu digo: “A alma não transcende (por completo) nas palavras” .A minha opinião é em relação a transcendência que se perde,que não alcança a completa transcendência do ser.
A seguir uma reflexão:

“O ser humano quer transcender, cria as palavras, cria mecanismos, cria os códigos, as letras. Porém estas acabam voltando ao homem...”

Bruno Oliveira disse...

Sei... Ainda assim, acredito na plena transcendência do ser via códigos gráficos. Transcender é ir de encontro ao que há de mais sublime no ser humanóide.

Essa discussão vai longe...