sexta-feira, 23 de abril de 2010

DELÍRIO NOTURNO




meus dedos
em sonho
seu corpo
percorrem
e tocam no
infinito
teu
meu corpo
em sonho
encosta
na tua pele
que tanto
me pede
o que quero
também
meus olhos
em sonhos
florescem
na brisa
que padece
sutilmente de ti
a mim,de ti,a mim
meus lábios
em sonho
molham-se
na fina e doce
boca e língua tua
e em cada gesto
vou te seguindo
ao passo que
flutuo de prazer
de prazer
de prazer
me beliscam
e sonho é...

3 comentários:

Bruno Oliveira disse...

Hummm... Dá cá pra sentir o cálido hálito do algoz percorrendo sinuosamente o corpo do eu-lírico, que é o próprio corpo do poema. Gostei da fantasia! A imagem caiu mui bem.

Abraço pra ti, minha cara!!

Alessandra Zelinda Bessa disse...

Bruno,valeu!
Grande Abraço tbm...

O POETA DE MEIA-TIGELA disse...

"Percorro-te inteira até
O limiar do teu sexo".
- Acordo. Sinto-te. Nexo?
O que é sonho e o que não é?